10 motivos para você desejar não ter um emprego.

- Inspirado em um brilhante artigo de Steve Pavlina, e publicado com sua autorização.

PS: Esse post também está disponível em vídeo –

VIDEO: NÃO TENHA UM EMPREGO.

Recentemente eu estava em uma roda de conversa com alguns amigos da época de escola – alguns dos quais são meus amigos há quase 15 anos – quando surgiu na mesa o assunto de emprego/trabalho.

O que era pra ser apenas conversa fiada, onde alguns jovens adultos reclamariam de seus chefes e da exaustiva rotina de trabalho, acabou se transformando em uma discussão filosófica sobre estilo de vida, liberdade e ilusões.

É importante notar que nesse grupo de amigos dos tempos de escola, eu sou o único que não possui um emprego fixo. Todos os outros estão trabalhando em grandes companhias como 3M, Eaton e Bosch. Eu mesmo já fui empregado em algumas agências de propaganda (sou formado na área), então sei como é. Mas de alguns anos para cá, pedi demissão e decidi ser meu próprio chefe (prometo que conto a história em um próximo post).

Desde bem jovem, eu sempre tive uma grande resistência contra a ideia de ter um horário para chegar e para ir embora, um salário fixo cujo teto não pudesse ser excedido, e principalmente contra a certeza de que meu chefe sempre estaria ganhando mais dinheiro do que eu.

Nota-se que a maioria das pessoas não pensa sobre isso. Imediatamente após se formarem na faculdade, enviam seus currículos para todas as grandes companhias e aguardam ansiosos a convocação para a entrevista de emprego. Mas será que isso é a coisa certa a se fazer?

Pelo título desse post, imagino que já tenha percebido que sou totalmente contrário à esse caminho. Só porque todos estão fazendo, não significa que é uma boa escolha. Existem muitas outras maneiras de investir seu tempo e seus talentos, como mostrarei para vocês em próximos posts.

Hoje vou me limitar a trazer o resultado da conversa que tive com meus amigos assalariados, e fruto da minha vivência prática de alguns anos de desemprego*.

*O termo correto é autônomo, mas acho divertido dizer que sou “desempregado”.

Veja a seguir os 10 motivos para você desejar não ter um emprego.

1. Salário é para quem tem preguiça de pensar.

Ter um emprego significa trocar seu tempo por dinheiro, e isso pode parecer uma boa idéia. Só tem um problema com isso: é estúpido! Trocar tempo por dinheiro é literalmente a pior maneira de gerar renda, porque seu tempo é limitado e irrecuperável!

Uma pessoa assalariada só recebe pelas horas em que está trabalhando, e isso é um absurdo! O quê? Você não acha um absurdo? Então provavelmente já está contaminado com algumas das ideias sem sentido que são disseminadas por aí! Mas pense bem: Não seria melhor receber dinheiro mesmo enquanto você dorme, viaja ou se diverte com os amigos?

Primeiro você precisa entender que ninguém se preocupa com quantas horas você trabalha; as pessoas só estão interessadas no valor que você agrega para a vida delas. Sabia que o seu carro levou apenas 18 horas para ser montado? E tenho certeza que ele não saiu nada barato para você… Isso se você não parcelou em 60x, e vai passar os próximos 5 anos pagando por ele! Imagine só, você vai passar 5 anos pagando por algo que levou 18 horas para ser feito.

Mas você está satisfeito porque que o carro funciona, e agrega valor na sua vida. Graças a ele você pode levar sua namorada para passear, pode percorrer longas distâncias sem se cansar, e ainda pode se exibir para os amigos… Nada disso tem a ver com o tempo de trabalho envolvido na produção desse carro. Se tivesse levado apenas 1h para produzir um carro, ele seria igualmente valioso. O preço do carro é relativo AO VALOR QUE ELE AGREGA À SUA VIDA, E NÃO À QUANTIDADE DE HORAS ENVOLVIDAS NA SUA PRODUÇÃO.

As pessoas que compreendem essa verdade mudam completamente sua maneira de encarar o trabalho. Mas se você ainda possui um emprego tradicional e agora está se sentindo estúpido por trocar seu precioso tempo por um pouco de dinheiro, não seja tão duro consigo mesmo. Todo mundo começa dessa maneira, e é com a mudança de consciência que nossa vida vai se transformando em uma experiência mais significativa e prazerosa.

A chave para a libertação dessa troca injusta de tempo por dinheiro é entender como as pessoas espertas constroem sistemas que geram renda 24h por dia, 7 dias por semana. Mesmo durante a noite, mesmo em feriados, mesmo enquanto elas saboreiam um refrescante daiquiri numa bela praia nas Bahamas (Quando estiverem por lá, sugiro que visitem Taino Beach. É paradisíaca!)

Bruno Padilha Miami
Miami é uma ótima cidade para se aproveitar bons momentos a qualquer hora do dia. E é também daqui que zarpam os luxuosos cruzeiros para as Bahamas.

Existem diversas maneiras de conseguir isso, incluindo: tendo um negócio próprio, se tornando um investidor, gerando royalties de seu trabalho criativo, vendendo produtos online, oferecendo espaço para anúncios em seu blog, etc. O segredo é que esses sistemas geram valor para as pessoas o tempo todo, sem parar. É claro que ocasionalmente você irá trabalhar um pouco nesses sistemas para otimizá-los ainda mais e melhorar sua produtividade. Mas você não mais estará recebendo dinheiro por seu tempo de trabalho, e sim pelo valor que agrega à vida das pessoas.

Para ver exemplos reais de como isso funciona, basta pesquisar sobre os blogueiros, escritores, empresários, artistas e vários outros profissionais que ganham muito dinheiro utilizando diferentes maneiras de entregar valor às pessoas.

Sim, existe trabalho envolvido em qualquer um desses exemplos de sucesso, mas a diferença é o formato de remuneração. Você iria trabalhar 8h por dia, 5 dias por semana caso fosse um assalariado… Então por que não investir esse tempo em formas de trabalho que continuem gerando dinheiro mesmo enquanto você descansa?

E o melhor de tudo é que você não precisa ser um gênio criativo e inventar uma nova forma de ganhar dinheiro… Basta usar aquelas que já estão funcionando para milhares de pessoas no mundo todo – aliás, esse é o incrível conceito de Modelagem: imitar os métodos de sucesso que são utilizados pelos vencedores. Leia AQUI meu post sobre Modelagem.

As livrarias (e também a internet) estão recheadas de livros contendo diversos tipos de sistemas que são comprovadamente funcionais, e que podem ser aprendidos por quase qualquer um (menos pelas mentes preguiçosas – sinto muito, mas é a verdade). Sim, vai levar algum tempo para você aprender esses conceitos e conseguir colocá-los em prática. Mas o tempo vai passar de qualquer jeito.

Aproveite desse fato e invista seus esforços HOJE para que possa se ver em um futuro de liberdade financeira e bastante tempo disponível para utilizar como bem entender, ao invés de se tornar cada vez mais dependente da empresa em que você trabalha. É uma escolha simples entre Dependência x Independência.

2. Experiência Limitada.

Você pode achar que é importante ter um emprego porque ele te dá experiência. Mas isso é como dizer que você precisa jogar golf para ganhar experiência no golf. Um emprego só te dá experiência sobre aquele emprego, e na maioria das vezes isso não significa nada na vida real.

Um outro grande problema é que a maior parte dos empregos consiste em fazer a mesma coisa todos os dias, então seu ganho de experiência é limitado. Você vai aprender bastante no começo, mas depois vai estagnar. E ao mesmo tempo em que está estagnado, está perdendo muitas oportunidades de ganhar experiência em outras áreas muito mais valiosas da vida. E ainda existe o risco de aquela experiência que você ganhou no seu emprego se tornar obsoleta, e de repente ela não vale mais nada.

Se lembra dos os especialistas em revelação de filmes na época das câmeras analógicas? Eles precisaram aprender conhecimentos muito específicos, e passaram anos memorizando misturas químicas e procedimentos complexos… Até que um dia isso simplesmente se tornou obsoleto, e hoje essa profissão nem existe mais.

Se você tem um emprego, quero que se pergunte francamente: Isso que estou fazendo agora ainda existirá daqui 20 ou 30 anos? Existe a possibilidade de uma máquina substituir meu trabalho? Essa experiência que estou acumulando significará alguma coisa em minha vida?

Pense sobre isso: Qual experiência você prefere ganhar?

  1. O conhecimento de realizar um trabalho específico, de maneira que possa trocar seu tempo por dinheiro.
  2. O conhecimento de como obter abundância financeira pelo resto da sua vida, não importa qual seja sua área de atuação.

Não sei você, mas eu prefiro a segunda opção. Me parece muito mais útil na vida real, não acha?

3. Você está sendo domesticado.

Conseguir um emprego é como entrar em um curso de domesticação humana. Você está aprendendo a se tornar um bom animalzinho de estimação.

Olhe ao seu redor, no seu local de trabalho. Realmente olhe ao redor. O que você está vendo? Parece o habitat de seres humanos livres, ou uma gaiola para animais sem consciência? Como está indo seu treino de obediência: seu “chefe” te recompensa por comportamentos positivos? Você leva bronca e é reprimido quando faz algo que ele não gosta?

Ainda existe uma fagulha de liberdade dentro de você? Ou o condicionamento já te transformou em um animal doméstico pelo resto da vida?

Seres humanos não foram feitos para viver em gaiolas, nem em cubículos de escritórios.

4. Muita gente come do seu bolo.

Os impostos para o empregado assalariado estão entre os mais altos que existem. Você com certeza já conhece a metáfora de que no Brasil se trabalha 3 meses do ano só para pagar seus impostos.

Mas é claro que essa realidade é disfarçada, os impostos já são deduzidos antes de você receber o salário. Ou seja: Quando o dinheiro chega para você, o governo já pegou uma fatia. Isso faz com que você não perceba o absurdo de pagar para trabalhar.

Reconheça também o fato de que a empresa em que você trabalha também está tomando uma fatia do seu dinheiro. Você está utilizando uma cadeira, um computador, água, eletricidade, e espaço alugado. Tudo isso é considerado quando é feito o cálculo do seu salário. Você paga por tudo o que utiliza, mesmo que esteja lá para trabalhar. E ainda nem mencionamos o lucro dos donos da empresa!

É muito simples: Se seu chefe te paga um salário, é porque seu trabalho gera mais dinheiro para a empresa. Mais do que você está ganhando, claro! Senão você seria considerado um gasto e estaria no olho da rua.

A verdade é que seu trabalho rende muito mais dinheiro do que você ganha por ele, provavelmente o dobro ou o triplo. E você dá a maior parte para seus chefes e governantes.

Preciso admitir isso: Que pessoa generosa você é!

5. Alto Risco.

Muitos assalariados acreditam que ter um emprego é a maneira mais segura de garantir seu sustento financeiro.

Que inocentes!

O condicionamento social é mesmo uma coisa incrível. Ele faz as pessoas acreditarem em conceitos que são justamente o oposto da verdade!

Você realmente se sente seguro quando seu sustento depende de outra pessoa? Basta seu chefe dizer “Você está despedido”, e de repente você não tem mais nada. A verdade é que seu chefe manda em você, você é totalmente dependente dele.

Além disso, ter um emprego é UMA fonte de renda. Porque investir sua vida inteira em UM canal para o sustento financeiro, quando você pode ter DEZ? Em breve publicarei alguns posts falando sobre fontes alternativas de renda – mas hoje só quero que você entenda uma coisa:
SEGURANÇA tem a ver com CONTROLE. Se você é um empregado assalariado, você não tem controle sobre sua situação financeira. Você só está contando com a boa vontade do seu chefe. E não tem nada de seguro nisso, você está jogando um jogo muito arriscado!

6. Você tem dono.

Eu sou autônomo. Tenho variadas fontes de renda, e defino meus próprios horários e deveres. Quando eu cometo um erro, eu aprendo com ele e sigo em frente. Mas se você é um empregado assalariado, as coisas são um pouco diferentes. Quando você comete um erro, você precisa colocar o rabo no meio das pernas e dizer: “Desculpe, chefe…”

Chefe. Patrão. Superior.

Você realmente se sente bem quando percebe que está sendo fiscalizado por outra pessoa? Você pode tomar decisões sozinho, ou “Precisa pedir autorização para o seu superior”?

7. Você precisa mendigar.

Me responda uma coisa: quando você quer aumentar seus ganhos, você é livre para decidir quanto você quer receber, sem precisar da autorização de ninguém?

Ou você precisa mendigar com seu chefe por um aumento?

Quando você é dono das próprias fontes de renda, você é quem tem o poder de decidir quanto vai ganhar, quando vai trabalhar, e o que vai fazer para isso.

8. Vida social limitada.

Muitas pessoas acabam em uma situação onde seus empregos são sua vida social. Eles saem sempre com as mesmas pessoas, que por coincidência são seus colegas de trabalho. Eles falam sempre sobre as mesmas coisas, que se resumem aos acontecimentos internos da empresa. E o ponto alto do mês são os churrascos com “o pessoal da empresa”.

Se um dos seus colegas fosse demitido e entrasse para outra empresa, você perderia um amigo? Você fica feliz quando descobre que a nova recepcionista é uma jovem atraente? Você precisa parar a conversa no meio, porque de repente seu chefe entrou na sala?

Acredite ou não, existe uma vida aqui fora. É um lugar mágico onde alguns “desempregados” se reúnem as 16h numa terça-feira para praticar wake-board na lagoa, assistem ao nascer do sol do alto de uma montanha e passam a tarde toda na frente de um laptop em uma Starbucks, planejando o roteiro da próxima viagem para a Europa.

Ah, e a gente nem precisa esperar as férias chegarem…

Bruno Padilha Meditação
Uma boa maneira de experimentar a sensação de liberdade é meditar em silêncio no pico de uma montanha, de preferência ao nascer do sol. Nessa foto eu estou sentado exatamente sob o trópico de capricórnio, contemplando os primeiros raios de sol da manhã.

9. O fim da sua liberdade.

O primeiro passo para transformar um homem livre em um empregado assalariado é quebrar seu senso de independência. Sem isso, ele fica mais obediente. Depois você precisa criar inúmeras regras de comportamento, para que seu empregado sinta medo o tempo todo de ser repreendido por coisas horríveis como “conversar com seus colegas” ou “acessar o facebook”.

Aliás, crie também um código de vestuário: nada de bermudas, camisetas sem mangas ou chinelos! Mesmo que sua empresa seja no Brasil, e faça 38º no verão. Se quiser ser ainda mais rigoroso, então obrigue os funcionários a usarem um uniforme! [Não estou falando só das faxineiras. Uniforme é todo traje obrigatório: camisa social e gravata também conta.]

desemprego
Fotografei essa intervenção artística em São Paulo que retrata corpos sem face vestidos em trajes sociais caminhando pelas grandes avenidas da cidade, portando suas maletas executivas e entrando em prédios cinza com janelas espelhadas. Esse é o dia a dia de muita gente.

Também não podemos admitir que os empregados falem palavrões, tragam animais para o escritório, ou tirem uma folga para caminhar no parque! Deus me livre, precisamos de punições severas para esse tipo de abuso!

Seres humanos livres percebem que esse tipo de regras são bobas, claro. As únicas normas que você precisa são: “Seja esperto. Seja bom. Faça o que você ama. Se divirta.”

10. Você vai virar um covarde.

Você já percebeu que empregados assalariados tem uma capacidade infinita de reclamar sobre as empresas em que trabalham? Mas eles não querem soluções – apenas desabafar e culpar outras pessoas por sua própria falta de coragem. Se você não pode dizer francamente para o seu chefe “Você está sendo um mané” sem ser mandado embora, então você não é mais livre. Você é propriedade da empresa.

Quando você anda com covardes o dia inteiro, você acaba sendo contagiado. Aos poucos, todas as suas virtudes vão se dissipando pelo medo de ser mandado embora: primeiro a coragem, depois sua honestidade. Depois a honra e a integridade. E finalmente, sua liberdade.

Pronto, você vendeu sua humanidade por uma ilusão. E agora seu maior medo é descobrir o que você se tornou.

Mas não importa quanto você já foi domesticado: nunca é tarde demais para reconquistar sua coragem. NUNCA!

Ainda quer um emprego?

Se você hoje possui um bom emprego e está bastante condicionado pela sociedade, provavelmente reagirá de maneira defensiva à esse post. É normal, isso faz parte da mentalidade que lhe foi ensinada. Mas apenas perceba que, se o que eu disse não fizesse sentido, você não estaria se sentindo tão tocado por isso.

Você pode negar que está em uma prisão, mas isso não vai te tornar um homem livre.

Se alguma coisa do que eu disse mexeu com você, então já é um passo em uma nova direção. Raiva é melhor do que indiferença, e é bem melhor do que se sentir anestesiado o tempo todo. Se você lidar com seus sentimentos um a um, logo chegará à coragem.

E quando isso acontecer, você vai precisar tomar uma atitude. Você vai precisar quebrar as algemas que hoje estão mantendo em cativeiro, e começar a viver uma nova vida.

O animal domesticado vai se levantar como um homem livre.

Feliz e “desempregado”.

Mas então, qual é a alternativa ao emprego assalariado? A alternativa é se manter feliz e desempregado pela vida toda, gerando renda através de diversos meios. Lembre-se que o dinheiro que você ganha tem a ver com o valor que agrega à vida das pessoas, e não com o tempo que você passa trabalhando por ele.

Encontre uma maneira de trazer mais valor à vida das pessoas, e cobre um valor justo por isso. Uma das maneiras mais acessíveis é começando seu próprio negócio. Qualquer coisa que você faça hoje em seu emprego, pense em uma maneira de oferecer o mesmo valor diretamente para as pessoas que se beneficiam do seu trabalho. Em minha transição de empregado assalariado para autônomo, foi isso que eu fiz.

Eu trabalhava em uma agência de propaganda, criando websites para clientes da agência. Após pedir demissão, abri minha própria “empresa” (esse é o termo legal, na prática sou só eu e meu laptop), e comecei a bater na porta de “clientes” oferecendo a criação de websites. Eu já sabia fazer o trabalho, e já sabia que muitas empresas possuíam essa necessidade. Não tem nenhum segredo, é só uma mudança de mentalidade.

Se quiser saber exatamente como fiz isso, leia meu post “Desempregado e Feliz”.

Cada caso é um caso, e pode demorar um pouco para começar a dar dinheiro, mas sua liberdade vale a pena. Mas por outro lado, tudo o que você aprender no meio do caminho (experiência) pode gerar valor para outras pessoas. Até seus erros podem virar dinheiro!

Não acredita? Vamos dizer que você vá abrir uma empresa pela primeira vez. Imagino que você vai precisar aprender na prática como se faz. Então por que não cria um blog explicando cada passo? Por que não relata todos os erros e acertos, para que outros aspirantes a empreendedores possam aprender com sua experiência? Depois é só vender espaço publicitário no seu blog, ou elaborar um e-book “Como abrir sua empresa” e vender online. Ou formar parceria com um escritório de contabilidade e cobrar uma comissão por indicações. Ou indicar uma empresa de hospedagem de websites através de um programa de afiliados… [Se quiser saber mais sobre fontes alternativas de renda, estou escrevendo um post exatamente sobre isso.]

As possiblidades são infinitas. Lembre-se que a abundância está por toda parte, você só precisa abrir os olhos para enxergar.

Notas Finais:

Um dos maiores medos que você poderá encontrar pelo caminho é esse:

“Mas eu não tenho nenhum valor para oferecer…”

É isso que o condicionamento social te fez acreditar, mas perceba que é uma mentira. Cada membro da sociedade possui algo de valor para oferecer aos outros, porque cada um de nós possui habilidades únicas e maneiras exclusivas de ver a vida. Se você não consegue enxergar isso agora, é porque ainda está com muito medo.

Tudo o que você precisa é a coragem para ser você mesmo. Seu verdadeiro valor está escondido em quem você é, não no que você faz. Basta aceitar sua individualidade e escolher um meio para se expressar para o mundo. Eu sei que você já ouviu todo tipo de mentira sobre isso, e muita gente vai te dizer que é impossível.

Mas quando você decidir aceitar seu chamado e reunir a coragem para agir, você vai descobrir que a única pessoa que pode dizer o que é possível é você mesmo.

E da próxima vez que alguém te recomendar “Arrume um emprego”, eu espero que você possa dizer: “Não dá… Estou muito ocupado sendo feliz.”

Bruno Padilha Canadá
Minhas viagens costumam ser bem agitadas – mas sempre gosto de reservar alguns momentos para ficar sozinho e contemplar o sentimento de liberdade. Atividades tão simples quanto atirar pedrinhas em um grande lago no Canadá me trazem legítima paz interior, e me lembram que a felicidade é um estado de espírito que não depende de circunstâncias externas.

 

ASSISTA AO MEU VÍDEO: OUTRAS FORMAS DE GANHAR DINHEIRO

 

VAMOS SER AMIGOS DE E-MAIL?

Cadastre seu e-mail para receber conteúdo exclusivo e novos posts.

11 comentários sobre “10 motivos para você desejar não ter um emprego.

  1. Bruno,
    Amei seu post, ele veio dar o “empurrãozinho que eu precisava”!!!
    Trabalho 8 horas diárias em um emprego ótimo, com um salário razoável, e além disso tenho uma Livraria especializada no ensino de idiomas com mais de 4 anos de vida, o medo é um grande, ou melhor enorme empecilho para o Empreendedor. Morro de medo de não conseguir renda semelhante a que recebo como assalariada, e por ai, meu negócio que poderia estar maior, segue a passinhos de formigas(um pouco mais rapidinho). Seu artigo me encorajou, abriu minha mente, me libertou, pois além da empresa que já tenho, ainda desenvolvi idéias para plano “B” de receita extra…OBRIGADA!!!

  2. Montei meu próprio negócio há alguns meses e pedi demissão na empresa em que trabalhei por oito anos. Não foi fácil tomar essa decisão, mas me sinto feliz e mais confiante a cada dia. O desafio fez minha criatividade renascer.

    Pra quem acha que emprego é segurança:
    “Segurança é você se garantir, seja qual for o caminho escolhido.”

    Forte abraço a todos que querem ser felizes!

  3. Excelente, basta tentar e acreditar que no final tudo dará certo.
    Parabéns Bruno, você é o cara. Tá feliz é o que importa, o resto é consequência.

  4. Já pensou se todo mundo pensasse assim? Quem iria produzir os alimentos? Os produtos industrializados ? Quem patrulharia as ruas ou daria plantões nos hospitais? Admiro está filosofia , eh a msm do “trabalhe 4 horas por semanas”, mas sempre seremos carentes do condicionamento social , só acho. ..

    1. Lucas, bem vindo ao blog!

      Aprendi muita coisa com o 4-Hour workweek, do Tim Ferriss. Ele é um dos meus mentores 😉

      Concordo com o que você disse, no sentido de que é necessário que haja pessoas trabalhando arduamente para que o “sistema” funcione perfeitamente. Existem um ponto que vale a pena comentar:

      Nem todo mundo tem esse perfil empreendedor. Muita gente gosta da rotina, da segurança, da previsibilidade. Eu mesmo tenho períodos onde me sinto muito inseguro e caótico justamente por não ter alguém me dizendo o que fazer. Tudo tem os prós e contras!

      Escrevi esse post para um perfil bem particular de pessoas: Aquelas que possuem a vontade de escapar de suas rotinas, mas ainda não estão incomodadas o suficiente para sair da zona de conforto. Meu texto é muito mais uma agulhada que visa estimular o desejo de independência do que um manual de “Como viver sua vida”.

      Grande abraço!

  5. Porra, cara, tu fala de pessoas escravas do trabalho que trabalham 5 dias por semana, 8h por dia. Imagina quem trabalha com hotelaria, domingo à domingo com 1 folga semanal. O texto me deu algumas ideias pra sair da inércia. Obrigada. =)

    1. Oi Rebeca!

      Eu gosto do pessoal de hotelaria, sempre que eu viajo sou muito bem recebido! Fico feliz por existir gente que trabalha com isso 😉

      Mas fico triste de saber que o trabalho é tão puxado… Com certeza existem maneiras de utilizar seus conhecimentos e experiências para gerar renda e oferecer valor sem comprometer sua qualidade de vida!

      Que bom que já começou a ter idéias!! Estou torcendo pelo seu sucesso.

      Grande abraço!

  6. Muito bom, eu passei muito tempo da minha vida aprisionado!!! Eu sempre começava bem um novo emprego entusiasmado, mas bastava passar alguns meses que vinha a pergunta na minha cabeça! O que eu to fazendo aqui?
    E a primeira sensação que tive foi um alívio enorme, sobre o peso dos meus sonhos, vou ser sincero eu tenho receio ao tentar uma mudança tão radical como essa!! Mas o meus sonho tem um papel fundamental na sociedade!!
    Parabéns muito bom mesmo seus post!!

    1. Oi Fernando! Bem vindo ao blog.

      Se a gente não muda nossas próprias crenças sobre a vida e sobre nós mesmos, nenhuma mudança externa pode trazer felicidade!

      Quando você diz que tem receio de uma mudança como essa, quais são seus medos? Faça uma lista com seus medos (os reais e os irreais), depois anote quais poderiam ser as consequências se cada uma daquelas coisas realmente acontecesse, e coloque uma escala de probabilidade. Em outro papel, anote os sonhos, o que pode dar certo, e quais são as consequências se der certo. Depois compare, e veja o que decide!

      Grande abraço

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *