Você começa as coisas e não termina? Talvez você seja um Experimentador.

 

Meu avô é uma pessoa pragmática. Sua vida inteira foi construída à base de persistência e disciplina, e isso funcionou muito bem para ele. Ele é daqueles que, com base na própria experiência, falam:

– “Se não for pra persistir até o fim, então nem comece!”.

 

Mais do que apenas falar isso, ele gosta de ensinar na prática. Me lembro daquela vez em que eu não queria comer o tomate que estava no meu prato, e ele declarou que eu só poderia levantar da mesa quando tivesse terminado.

Fiquei cerca de 2 horas encarando aquelas rodelas de tomate, até que a vontade de sair pra brincar falou mais alto e eu enfiei tudo goela abaixo. Com o tempo, acabei aprendendo… A gostar de tomate. Mas meu hábito de começar as coisas e não terminar continua exatamente igual.

Se você está lendo esse texto, provavelmente temos isso em comum. E assim como eu, você já deve estar cansado de ouvir que precisa ser mais persistente, ter mais disciplina. Que já chegou a hora de parar de considerar alternativas e tomar uma decisão definitiva! Afinal, o que você quer da vida? Escolha um caminho e vá até o fim!

Pois é. Primeiro deixe-me dizer que eu tenho todo o respeito por essa filosofia e realmente acredito que essa abordagem funcione. Além do meu avô, já conheci inúmeras pessoas que insistiram em um único caminho por anos e anos sem nunca desistir, e dessa forma tiveram uma vida de realizações. Todo mundo conhece aquela história de que Thomas Edison teve 1.000 tentativas fracassadas antes de conseguir inventar a lâmpada. Não sei se é verdade, mas o fato é que eu jamais ficaria tanto tempo insistindo em algo. Simplesmente não faz parte de quem eu sou. Eu gosto de encontrar coisas novas, me entreter com elas por um tempo, e depois partir para a próxima.

Quando eu digo isso, geralmente me rotulam como preguiçoso, ou dizem que não tenho disciplina. Talvez seja verdade. O fato é que eu estou bem, obrigado. Se tenho uma falha grave de personalidade, então estou conseguindo viver com isso.

Aliás, tem me feito muito bem! Como eu perco o interesse rapidamente em tudo o que é previsível e repetitivo, estou sempre explorando assuntos novos.

Nesses emocionantes 25 anos de vida, já fiz aulas de flauta, violão, canto, judô, capoeira, muay thai, aikidô, natação, futebol, vôlei, tênis de mesa, xadrez, ginástica artística, circo, calistenia, inglês, espanhol, francês, investimentos, desenho, moda, nutrição, e mais centenas de assuntos que estudei informalmente, por conta própria. Já tive 3 empresas, já fui caça-talentos de modelos, já fui instrutor de paquera no Rio de Janeiro. Já tive um blog e um canal no youtube sobre nós de gravata – e ganhei dinheiro com isso. E ainda nem mencionei que, durante a infância, mudei de escola 8 vezes. Sim, 8.

Que foi? Agora você também vai começar a dizer que eu sou muito inconstante, que preciso ter uma vida mais estável e disciplinada? Ah, dá um tempo! Antes que você fale isso, vou te explicar sobre o eixo psicológico “Novidade x Continuidade“.

Novidade x Continuidade

A mente humana é habitada por diversas dicotomias, ou seja, conceitos fundamentais que são divididos em dois lados com vantagens e desvantagens. Nesses casos não existe certo ou errado, é uma questão de escolha individual. Uma dessas dicotomias é “Novidade x Continuidade”. É fácil perceber esse dilema em ação na cabeça das pessoas quando elas precisam escolher entre experimentar um prato diferente em um restaurante exótico, ou ir naquele lugar que frequentam há 20 anos e pedir “o de sempre“. Algumas pessoas vão fazer a escolha mais costumeira, mais familiar, enquanto outras vão arriscar o novo. Não existe uma pessoa que tenha um perfil 100% de Continuidade, ou uma que seja 100% inovadora… Mas geralmente nos identificamos mais com um ou outro lado desse eixo.

Você já conhece o indivíduo que está mais para o lado da Continuidade: é aquela pessoa que entra no karatê com 5 anos de idade e segue praticando até a velhice, ou que começa a trabalhar na empresa como office boy durante a adolescência e se aposenta na mesma companhia como diretor – 35 anos depois (caso do meu outro avô). Esse perfil é importante porque consegue levar a cabo projetos muito longos e garante o aspecto da estabilidade que é tão fundamental para nossa civilização. Imagine o tipo de persistência necessário para assumir responsabilidade pela construção de uma rodovia ou uma hidrelétrica!

Enquanto isso, algumas pessoas (como eu) estão bem mais próximas do lado da Novidade e raramente permanecem em um projeto por mais de alguns meses. Por outro lado, são muito mais aptas a trabalharem com geração de ideias, elaboração de estratégias e identificação de tendências. Minha própria vida é um exemplo disso: sou motivado e energizado por tudo o que me coloque em contato com novidades e me ofereça uma rotina dinâmica e instigante. Gosto de testar, pesquisar, questionar, transformar. Por isso optei por chamar esse perfil de Experimentador.

É claro que algumas pessoas já tentaram me convencer de que essa “busca pelo novo” (neofilia) é um fenômeno contemporâneo prejudicial causado pelo excesso de informações da era digital. Pois eu estou aqui para afirmar o contrário!

Na verdade essa característica está presente na humanidade desde o início de nossa existência. Imagine a cena: naquelas primeiras tribos de humanos, alguns deles devem ter pensado:

– “Quer saber? Cansei daqui, vou sair para explorar.” 

Aí eles caminharam algumas centenas de quilômetros – contrariando a opinião geral de que era arriscado e perigoso – encontraram um lugar legal e ficaram por ali. Depois de um tempo, o que aconteceu?

– “Hmm.. Cansei daqui também, vou explorar mais.” 

E isso foi acontecendo sucessivamente pelos próximos milhares de anos até chegarmos nos dias de hoje. Sem essa eterna busca pela Novidade, ainda estaríamos vivendo em uma tribo primitiva, e esse post seria uma pintura na parede da caverna.

Portanto da próxima vez que alguém te criticar por não terminar o que começa, diga que você é um Experimentador, e explique que a humanidade deveria te agradecer por ser assim! 🙂

Brincadeiras à parte, acho muito importante que você saiba que não existe um “jeito certo” de passar pela vida. Quando as pessoas dizem que você precisa ter mais disciplina, assumir compromissos de longo prazo e buscar estabilidade, na verdade elas estão dizendo como elas vivem a vida, não como você deveria viver. Entenda também que geralmente esses conselhos são bem-intencionados e visam seu bem. Mas você é o protagonista da sua vida, e tem todo direito de escolher se vai seguir uma abordagem mais tradicional ou mais experimentadora! Não há nada de errado em viver de maneira espontânea e não-linear.

Dito isso, reforço que o primeiro passo para a felicidade plena começa com o auto-conhecimento. “Conhece-te a ti mesmo”. E é por isso que vou compartilhar algumas dicas de como nós – Experimentadores – podemos levar uma vida funcional e recompensadora.  Não entenda esse post como um “MANUAL DE INSTRUÇÕES”, mas sim como sugestões baseadas em minha própria experiência de vida. Elas têm funcionado para mim, e pode ser que funcionem para você também!

A VIDA DE UM EXPERIMENTADOR

Se você leu até aqui e está 100% convencido de que possui o perfil Experimentador, a primeira coisa que precisa fazer é tentar entender quais são as motivações e oportunidades para a sua vida. Isso envolve explorar suas forças e fraquezas, conhecer seus limites e desafiar seu potencial.

Usando meu exemplo, sou muito motivado por todo tipo de conhecimento que ajude as pessoas a viverem melhor. Não sei dizer de onde veio esse desejo, mas percebo que naturalmente passo uma boa parte do meu tempo aprendendo coisas que melhorem a minha vida e também a das pessoas que me cercam. Leio livros sobre isso, assisto filmes, acesso blogs, tenho discussões profundas. Dentro desse grande tema, me interesso por tópicos como saúde, riqueza, relacionamentos, espiritualidade… Algumas pessoas (com perfil de Continuidade) já me sugeriram que eu escolhesse apenas um desses assuntos para me especializar, e trabalhasse com isso pelo resto da vida – construindo uma carreira sólida e linear.

O que elas não entendem é que, se eu fizesse isso, em pouco tempo iria perder completamente minha motivação. Tenho uma natureza extremamente dinâmica e inquieta, por isso quero tudo ao mesmo tempo. Quer saber uma de minhas soluções? Criei este blog 🙂 Aqui consigo compartilhar os resultados das minhas pesquisas e experimentos, e o melhor de tudo é que não tenho obrigações externas. Posso postar quando eu quiser, quantas vezes eu quiser, e sobre o que eu quiser. Mas isso não significa que você também precise fazer um blog.

Talvez você seja apaixonado por esportes, mas não tem vontade de se focar em apenas um deles pelo resto da sua vida. Que tal misturar vários esportes e criar uma nova modalidade de atividade física? Foi assim que criaram o MMA e o CrossFit. Ou adote uma abordagem mais jornalística e se torne colunista de portais de esporte. Você também pode combinar essa paixão com seu dom da fotografia, e viajar o mundo cobrindo eventos esportivos. Ou todas as anteriores!

Quando você tiver identificado suas paixões, seus talentos e suas limitações, comece a pensar em maneiras de trazer tudo isso à vida de uma forma única que represente sua verdadeira identidade no mundo. Caso queira minha ajuda nesse processo, deixe um comentário explicando:

SUAS PAIXÕES, SEUS TALENTOS, SUAS LIMITAÇÕES.

Pode ser que eu escolha seu comentário para dar minhas sugestões de como você poderia transformar suas particularidades em uma forma de compartilhar sua identidade com o mundo. E, se possível,ganhar dinheiro com isso.

 

A outra dica que quero compartilhar com você é relacionada aos aspectos da sua vida que você QUER que sejam duradouros. Sua natureza inquieta pode tornar difícil assumir compromissos de longo prazo, e em várias situações isso pode realmente te prejudicar.

O que proponho é que você crie maneiras de agregar imprevisibilidade, novidade e mudanças frequentes às áreas mais estáveis da sua vida. Veja alguns exemplo:

Relacionamentos Longos:

Existe uma fase da vida em que é gostoso sair com várias pessoas, curtir sem compromisso, experimentar sensações e conexões. No entanto, já posso te adiantar que chega um momento em que você só deseja ter alguém realmente importante ao seu lado – alguém que você deseje amar pelo resto da sua vida.

Seus impulsos naturais pela busca da novidade vão ser um grande inimigo em seu relacionamento, a menos que você adote algumas medidas para “agradar” seu instinto Experimentador:

  • Mude os tipos de programas de tempos em tempos: viagens para a praia, filmes em casa, cozinhar um para o outro, excursões naturais, museus, baladas. Não precisa fazer um programa novo todo dia, mas permita que ocorram fases onde vocês estão mais caseiros, outras em que estão sempre badalando.
  • Mude a frequência com que se vêem, ou com que fazem programas. Se vocês estão acostumados a sair sempre de sábado a noite, então troque pela quinta ou sexta, e passe a usar o sábado para atividades individuais – ler, visitar sua família, sair sozinho, etc. Evite criar regras como “nos veremos sempre 3 dias por semana”. O que seria uma garantia de estabilidade para alguém do perfil de Continuidade vai acabar massacrando seu relacionamento.
  • Presenteie seu parceiro com roupas/acessórios diferentes do que ele está acostumado a vestir. Se você for fazer isso com uma mulher, explique claramente que adora a maneira como ela se veste – apenas viu essa peça diferente na vitrine e ficou muito curioso sobre como ficaria nela. Não corra o risco de parecer uma crítica indireta!
  • De vez em quando mude o tipo do beijo, do carinho, da pegada. Todo mundo tem um “script” favorito, mas arrisque fazer diferente as vezes. Conheço casais que, em algumas ocasiões, adotam outros nomes e trejeitos, e encenam a paquera como se fossem desconhecidos. Você não precisa ir tão longe, basta variar a forma do contato físico (e até a comunicação verbal) de tempos em tempos. A chave é deixar que seu instinto Experimentador vivencie a emoção de algo novo – mesmo em um relacionamento de vários anos.

Trabalho:

Se o seu trabalho não complementa sua felicidade e seus valores, saia imediatamente. Acredite que existem oportunidades mais compatíveis com você por aí, basta explorar. E também tem diversas maneiras de obter sustento financeiro (e até independência financeira) com sua própria empresa, ou então prestando serviços como profissional autônomo.

Mas caso você já possua um bom emprego que é coerente com seu estilo de vida e seus ideais, pedir demissão pode ser desnecessário. Eu mesmo, no momento, estou trabalhando presencialmente em uma companhia. Tecnicamente a minha empresa está prestando serviços de consultoria para eles, mas na prática estou vivendo uma vida parecida com a de um funcionário. Nesse caso, eu precisei tomar diversas providências para que a rotina não caísse no tédio – porque eu acabaria estragando uma parceria que está sendo extremamente benéfica para ambos os lados.

Deixo aqui algumas sugestões nesse sentido:

  • Combine com seu chefe que, de vez em quando, você vai trabalhar de casa – ou quase isso. Eu simplesmente amo a sensação de entrar em uma Starbucks as 10h da manhã portando apenas um notebook e um sorriso no rosto. Se eu fizesse isso todo dia, iria achar um saco (e torraria meu dinheiro junto com o café). Mas de vez em quando uso como uma fugidinha da rotina.
  • Considere a possibilidade de atuar em outras áreas dentro de sua própria empresa, mesmo que por pouco tempo. Passe uma semana dando treinamento para os estagiários, ou acompanhe a equipe comercial em algumas visitas aos fornecedores. Essa prática vai acabar te levando ao nosso próximo item:
  • Faça amizade com pessoas de outros setores. Trabalhei muito em agências de propaganda, e lá eu via o oposto disso: o pessoal da criação almoça com o pessoal da criação. As meninas do atendimento só conversam com as meninas do atendimento. Saia dessa, derrube as paredes (imaginárias) do escritório e faça amigos por toda a empresa. Esse networking pode até alavancar sua carreira.
  • Traga maneiras inovadoras de fazer seu trabalho – de quebra você ainda pode aumentar sua produtividade. Como ação imediata, recomendo que experimente a super-simples técnica de pomodoro por algumas semanas.
  • Mude seu horário. Simples assim. Tem dias que eu entro as 09h, tem dias que chego após o almoço. Converse com os responsáveis pelo seu departamento e tente descobrir maneiras criativas de mudar seus horários sem diminuir sua produtividade. No meu caso, só aumenta.
  • Saia do seu trabalho e comece um negócio próprio. Essa é a minha recomendação número 1. Não é pra todo mundo… Mas pode ser para você!

Hábitos saudáveis:

Não dá pra simplesmente parar de fazer exercícios e comer bem, isso é necessário para uma vida completa e feliz. Por outro lado, se você é realmente um Experimentador já deve ter enfrentado lutas duríssima contra dietas restritivas e rotinas de atividades físicas. Não se preocupe, há saída!

Nos últimos 2 anos eu tenho levado uma vida muito saudável que reúne esporte, alimentação e hábitos de bem-estar. Depois de frequentar (sem sucesso) diversos nutricionistas e desistir da academia algumas vezes, descobri que estava faltando o aspecto da novidade nessa minha abordagem.

Siga essas dicas para se manter sempre saudável sem desanimar e largar tudo:

  • Experimente dietas novas a cada 3 meses. Existem inúmeras dietas saudáveis para você adotar, e não precisa pensar que vai ser para sempre. Nos últimos 3 meses eu venho seguindo uma dieta vegana (sem alimentos de origem animal). Se sua alimentação respeitar fundamentos saudáveis, não importa se é Mediterrânea, Paleo, Vegetariana, Ortomolecular, Detox, Sem Glúten, etc. Não ouça os extremistas que pregam cada dieta como a única verdadeira. Coma comida de verdade, diversifique os alimentos, e seu corpo ficará bem.
  • Varie os esportes – isso é ótimo porque também vai aumentar seu círculo social. Como você já sabe, eu pratiquei capoeira, judô, muay thai e aikidô. Também fiz natação, corrida, circo, ginástica artística, calistenia, musculação, tênis de mesa (não parece mas cansa!), etc. Não sou incrível em nenhum deles, mas estou sempre aprendendo algo novo e mantendo meu corpo em movimento.
  • Experimente novos locais para a atividade física: academia, treino em casa, na praça, na piscina, na praia, etc. Aproveite os diversos ambientes da sua cidade para movimentar seu corpo. Faça alongamentos na praça, corra na praia, suba em uma árvore. O mundo é seu playground!
  • Não pense em “ficar bom em algo”, e sim experimentar várias coisas simplesmente pelo prazer de inovar, conhecer gente nova, ganhar habilidades e ficar saudável. Se você não pretende se profissionalizar no esporte, então realmente não importa se você é bom ou ruim nisso. Aliás, exigir performance vai atrapalhar toda a diversão. Deixe o perfeccionismo para os medalhistas olímpicos, você está fazendo esportes por outros motivos. Assuma seu lado criança, e enxergue a atividade física como uma brincadeira diária e empolgante.

 

Experimentador & Feliz

Escrevi esse post por dois motivos: primeiro para te dizer que não há nada de errado com você só porque gosta de experimentar coisas novas e tem dificuldade de dar continuidade em projetos longos. Isso não é uma falha de personalidade, é uma característica psicológica perfeitamente normal e que acompanha a humanidade desde sempre.

O segundo motivo é que eu já tentei diversas abordagens na minha vida para tentar conciliar esse perfil Experimentador com as coisas que eu desejava, como dinheiro, relacionamentos, saúde, etc. Grande parte dessas tentativas foram frustradas, porque eu continuava me enganando de que um dia acabaria desenvolvendo a disciplina necessária para mudar esse meu jeito e finalmente conseguir continuar estável em um caminho definido. Eu não quero que você precise passar por isso também! Seja honesto consigo mesmo. Conheça seus limites, e aprenda a desfrutar de uma vida feliz assumindo sua individualidade e alavancando seus talentos pessoais.

O fato de você ser um Experimentador significa que, durante sua vida, você vai viver mais experiências do que a maior parte das pessoas consegue imaginar. Você vai estudar mais assuntos, vai ganhar habilidades em mais áreas, vai conhecer mais pessoas, vai arriscar mais ideias malucas.

Seu grande desafio é também sua maior oportunidade: Aproveite que você é um Experimentador, e crie maneiras de compartilhar seus sucessos e fracassos com as outras pessoas.

Quando você vive uma vida tão recheada de experiências, é um desperdício guardar tudo só para você!

 

Agora quero ouvir você, meu colega Experimentador. Em que projetos tem se envolvido recentemente? Como tem compartilhado isso com o mundo? Me conte isso nos comentários, já é um primeiro passo 🙂

 

VAMOS SER AMIGOS DE E-MAIL?

Cadastre seu e-mail para receber conteúdo exclusivo e novos posts.

43 comentários sobre “Você começa as coisas e não termina? Talvez você seja um Experimentador.

    1. Oi Everardo, bem-vindo ao blog.

      Agradeço pelos elogios! Fiz este blog usando a plataforma WordPress e o tema gratuito “Intergalactic” com algumas modificações customizadas.

      Se quiser ajuda para contratar um plano de hospedagem e instalar o wordpress, mande um e-mail para mim no neopadilha@hotmail.com

      Grande abraço e volte sempre!

  1. Gratidão por compartilhar. Incrível seu blog. Estava aqui tentando entender meu filho que irá largar pela 5º vez a faculdade. Ele começa empolgado e no no final do segundo semestre larga tudo. Ele tem deficiência no campo da determinação entre outras coisas, também sei que é hiperativo. Seja como for, estava difícil de entender e ajudar-lo. Sou uma buscadora, por isto te encontrei. Vou indicar seu blog para ele.

    1. Oi Mary, bem-vinda ao blog! Agradeço os elogios.

      Existe um conceito chamado “Multipotencialidade”, que é exatamente o que eu descrevi nesse post mas chamei de “Experimentador”.
      Dê uma pesquisada no tema, com certeza vai trazer muita clareza para você e para ele.
      Talvez ele não tenha deficiência na determinação, e sim interesses múltiplos.

      Se tiver algo que eu possa ajudar, não hesite em falar comigo.

      Grande abraço, e até mais!

  2. Olá, td bem?
    Gostei muito do artigo, porém não imaginava que pudesse existir pessoas com um perfil igual ao meu. Ao mesmo tempo que fiquei feliz, fiquei também assustada rsrsr.
    Então no meu caso esse tipo de comportamento tem me prejudicado, porque acabo envolvendo pessoas próximas em meus empreendimentos e aventuras fracassadas.
    Em um dos meus experimentos, vendi metade do meu terreno onde a outra metade era a minha casa, e me tornei sócia de um lutador de kikiboxing em um academia, cheguei a investir 10.000 ,mais vi que não era aquilo que eu imaginava e enfim, ele me deu um golpe e eu perdi o dinheiro investido.
    Mais frustrada por não ter realizado o projeto que eu queria, procurei um amigo que tmb é professor de artes marciais, que trabalhava com um socio que simplismente lhe explorava. Então resolvi oferecer-lhe ajuda para abrir sua própria academia.
    Tudo com muito sacrifício, eu era o braço direito dele, resolvia tudo, a academia ficou show, da maneira que sonhavamos.
    Mais a familia dele começou a se envolver, e eu fui perdendo a motivação a criatividade ja não me sentia mais parte daquilo tudo que planejei com tanto carinho desde o projeto inicial. Então mais uma vez abri mão de tudo desisti, embora também não ganhava nada e parecia que só eu me preocupava em fazer a academia girar de verdade.
    As vezes me perguntava, será que um dia vou me encontrar, sou aquela pessoa que aos 37 anos ainda tenho vontade de fazer faculdade, mais ainda não sei de que, mais que fujo de tudo o que me prende á rotinas por exemplo. Tenho dificuldades de seguir ordens e roteiros, gosto muito do diferente do novo de fazer bem tudo o que eu tiver que fazer, mais sem pressão e sem rótulos.
    Não sei se posso me considerar uma pessoa normal, na verdade nem sei o que realmente gosto, porque as vezes gosto de tudo um pouco.

    1. Oi Cida, bem-vinda ao blog.

      Ter interesses variados é perfeitamente normal, hoje em dia é chamado de Multipod, Multipotencial, e outros nomes. Você é livre para explorar seus chamados, não há absolutamente nada de errado nisso.

      No entanto, tem algumas “regras” que você precisa seguir. Por exemplo:

      1. Você precisa se organizar financeiramente.
      Para garantir que poderá investir nos seus interesses sem “quebrar”, você precisa de organização financeira. Sugiro que agende uma reunião com um bom consultor financeiro e ouça o que ele tem a dizer. Você provavelmente precisará de um profissional para te ajudar com isso.

      2. Você precisa ter maneiras de ganhar dinheiro.
      Não importa qual interesse você esteja explorando, você precisa garantir que vai conseguir se sustentar – seja com um emprego fixo que não toma muito tempo, com bicos, com renda passiva, etc. Não importa, o importante é continuar ganhando dinheiro mesmo enquanto começa novos projetos. Se você estiver sempre perdendo dinheiro, não vai dar pra manter esse estilo de vida com tranquilidade.

      Lembre-se que não está errado ser um experimentador, mas tome as providências para garantir que sempre terá um “suporte” para seguir seus caminhos.

      Grande abraço,

  3. Olá! Gostei muito! Me senti super identificada. Atualmente estou fazendo administração de empresas e estou na primeira fase, mas esse meu jeito pede mais e agora quero trocar de curso e fazer ciências econômicas , meu marido enlouquece com minhas mudanças e sempre achei que eu tinha um problema grave e devia mudar, mas quando tento fico ansiosa e paralizada. Obrigada pelo texto me deixou mais tranquila.

    1. Oi Maria Laura!

      Que bom que o texto te ajudou a ficar mais tranquila. O importante é conseguir olhar com clareza para si mesmo! Se realmente seu objetivo for explorar e experimentar diversos caminhos, então siga sem medo. Mas se você perceber que esse comportamento está atrapalhando seus sonhos, então procure maneiras de trazer novidade e entusiasmo para a rotina – mas siga firme no caminho dos seus sonhos.

      Grande abraço e volte sempre!

  4. OLá! Nem sei o que escrever mas parece comigo em certo ponto e em outros não parece! estou tentando me achar e fazendo acompanhamento psicológico mas gostaria de conversar mais sobre o assunto! se estiver disponível me avise que mando meu e-mail!

  5. Oi, me identifiquei muito! Começo vários cursos e paro. As pessoas começam a me perguntar quando vou dar cotinuidade em algo para minha vida e cair na rotina. Simplesmente não consigo. Tenho sonho de conhecer vários lugares, culturas,línguas.. Talvez trabalhar com isso, mas nada que eu tenha encontrado em curso nenhum até hoje.

  6. Olá, eu adorei.. Li em alguns comentários sobre estar surtando por não ser como as outras pessoas, achando que havia algo de errado comigo.. É tão bom ver e perceber que você é diferente, aceitar isso e derrepente tudo fazer sentido. Com certeza agora muitas coisas fazem sentido para mim. E com certeza vou viver bem mais feliz daqui pra frente.. Obrigada por se abrir e nos ajudar a compreender nossa natureza. 🙂

  7. Parabéns, pensei que tinha algo errado comigo. Realmente é isso que vc falou eu já me interessei por robótica até fabricação de cerveja artesanal. O bom é que eu consigo conversar de tudo com qualquer pessoa, realmente é bem bacana, o duro é ouvir as criticas.
    Mas vou seguir o seu conselho, eu sempre tentei fazer uma blog de nicho e talz. Abriu minha mente, pois existem mais pessoas como nós que se interessam por qlqer coisa que chame atenção.

  8. olá Bruno
    Li o seu post e identifiquei-me em pleno. É assim que eu sou. Não me consigo focar, começo tudo com uma energia contangiante para logo a seguir abandonar o que estou a fazer. Em termos de relacionamentos nunca fui assim, mas também o meu marido trabalha por turnos por isso é fácil fugir à rotina. nenhum dia é igual. Se fosse acho que já não estariamos juntos. Nunca consegui acabar a faculdade, iniciava sempre o semestre com notas acima de 16 e depois começavam a descer até que o semestre acabava e eu nem aparecia no exame porque nem valia a pena.
    O meu problema agora é mais a nivel profissional. Ao longo da minha vida mudei de empregos várias vezes. Até que há uns tempos atrás decidi ter um negócio próprio com uma amiga. O problema é que ela nunca compreendeu muito bem esta minha “instabilidade”. Nunca fui muito de cumprir horários e isso deixou-a sempre desconfortável. Para ela eu teria de trabalhar das 9h às 17h e eu não consigo. Ela tinha uma personalidade mais dominadora e eu deixei-me ficar um pouco na sombra. O meu trabalho era mais de escritório e a desmotivação apoderou-se de mim. O negócio começou a correr mal e ela sugeriu que abandonassemos a nossa sociedade, porque não podia contar comigo, porque eu começava tudo e nunca acabava nada, não me conseguia focar, esquecia-me de coisas que não me devia esquecer e porque em vez de me focar no meu trabalho tinha muitas coisas “fora dele” para me distrair e que talvez por isso não me conseguia concentrar nas minhas responsabilidades e o meu trabalho não estava feito. Acho que o facto de estar ali fechada me sufucou a forma como na realidade sou. Para colmatar essa rotina faço teatro amador (o que me permite ser actriz, ajudar em cenários, fazer maquilhagem a mim e aos colegas), pratico trail (onde conheço imensos locais novos e diferentes, conheço pessoas diferentes, desafio-me a mim mesma), faço bijuteria, estou sempre à procura de novas receitas, gosto de fazer pesquisas na internet sobre vários assuntos (como saúde, desporto, trabalhos manuais), sei um bocadinho de tudo…. não sou excelente em nada, mas desenrasco-me em vários temas. Mas mesmo este fugir à rotina não foi suficiente para desempenhar um bom trabalho no escritório. Bom mas agora vou ficar desempregada e sem saber o que fazer, pois tudo o que faço extra e que me dá prazer, não me traz rendimentos. Estou um pouco perdida. Gosto de imensas coisas, mas não sei o que fazer. E estou com um sentimento de culpa por ter errado, por não ter dado mais de mim. Mas sim, devemos aproveitar o que temos e não nos cingirmos ao que a maior parte da sociedade quer de nós. Mas é dificil…

    1. Oi Ana! Bem-vinda ao blog.

      Só agora vi seu comentário, já faz 1 mês que você escreveu. Como estão as coisas?

      Experimentar é um direito e até um prazer, mas sugiro que sempre encerre seus ciclos sem deixar nada “por fazer” – principalmente quando envolver outras pessoas.

      Conforme você vai aprendendo mais sobre si mesma, vai parar de se comprometer com projetos que sabe que não conseguirá acompanhar – ou então deixará claro que sua participação será temporária. Mas no momento atual, identifique onde deixou “pontas soltas” e acerte as situações pendentes.

      Quando abandonamos um ciclo sem dar o término correto, isso fica pendente em nosso subsconsciente e não nos deixa avançar com liberdade. Certas situações vão ficar aparecendo diversas vezes na sua vida até que você dê o encerramento ao ciclo.

      Experimentar é muito bom, e nos traz grandes vivências e aprendizados – no entanto, exige responsabilidade! Então sempre que decidir sair de um caminho e ir para outro, certifique-se de que não deixou pendências com outras pessoas!

      Grande abraço

  9. Olá, encontrei este artigo por que tive um surto ontem com estas questões, estou com 31 anos, já consegui melhorar muito o meu estilo de vida e aceitação de quem eu sou, mas as vezes a mente, nossa pior e melhor amiga, se perde em meio ao que é considerado normal para as outras pessoas.
    Venho a meses me enfiando de cabeça no mundo das gastronomia, pra ser mais específica na confeitaria, sempre amei cozinhar, sempre fui de inventar pratos, e encontrei nessa ideia um jeito de extravasar toda essa energia e criatividade que tenho aqui dentro.
    Me identifiquei muito com tudo que li aqui, ainda estou a procura de um psicologo…rs… para trabalhar problemas passadas que interferem nos meus relacionamentos, mas é sempre bom saber que não é sou única “louca” no mundo.

    Ah.. e valeu sobre a dica do blog… eu pensei nisso semana passada e fiz um, montei layout e tudo, e acho que hoje é um bom dia para começar e escrever 🙂

    1. Tatiane, bem-vinda ao blog.

      Como está indo sua jornada na confeitaria? E já foi na consulta com o psicólogo?

      Não tem problema experimentar várias coisas, mas quando estiver em uma fase específica, dedique-se a ela com toda a sua energia e desenvolva seu espírito a todo momento!

      Se você tem o perfil de experimentadora, então precisa experimentar MESMO! Não fique apenas na beirada com o dedinho na água… mergulhe e viva essa experiência!

      Grande abraço

  10. Boa tarde Buno.
    Eu fiz vários cursos, já aproveitei todos um eu não completei, minha esposa diz que nunca vou ter sucesso nem seguir um caminho pois sou preguiçoso, sai de alguns empregos por não aceitar ofensas de chefes.
    Também por achar que para permanecer em uma empresa ela deve pagar no mínimo em dia, para que asumir uma rotina e ela ficar te devendo o salário, as pasagens ou vale alimentação, por até dois meses , empresas a sim estão cheias por a aí, viver trancado, mesma rotina ninguém merece. Adoro estar sempre aprendendo, fasso Tecnologia em Horticultura atualmente quinto semestre não toda as cadeiras por falta de recursos, mas adoro pois aprendo muito neste curso superior, mas se der vou trocar para agronomia pois eles só aceitão a assinaturas do mesmo, embora horticultura abranja mais conhecimentos que agronomia .
    Fiz curso técnico de informática, nível médio.
    Adoro informatica , plantas animais , natureza, enfim aprender. E o mais encrivel tudo com o intuito de ajudar e não explorar as pessoas. Estou plantado adubação verde creio ser o futuro. Tenho uma empresa de reforma e prestação de serviços (MEI)
    Eu tenho melhor rendimento nas coisas quando faço a tarde e a noite, isso é preguiça ? acho que é o meu geito, acho que o mundo seria melhor se as pessoas respeitassem o geito de ser das outras, a corrida desenfreada por dinheiro se torna um círculo e muitas vezes uma prisão sem sentido.
    Acho que estamos no mundo para viver livres e isso é o verdadeiro direito de escolha de real liberdade.
    A maioria não entendi isso , aguardo resposta se puder ser no meu email também agradeço.

    1. Oi Márcio, bem-vindo ao blog!

      Todas as pessoas vêm a esse mundo com um propósito. Existe algo que somente você pode fazer, e ninguém mais. Encontre esse chamado, e se dedique a ele!
      E não se preocupe com dinheiro, pois se você estiver no seu caminho o dinheiro necessário irá surgir de maneiras inesperadas.

      Grande abraço!

  11. Cara, amei o blog, gostei muito do que escreveu, e claro que me identifiquei 100%
    Já tentei muitas coisas, e normalmente se algo da errado não é meu perfil ficar triste… Mas as vezes cansa ouvir q vc não tem rumo algum… Começa a achar que é um problema e fica deprimido…
    Ouve vezes em que desejei tanto provar que era capaz de ir até o fim e nessas vezes sim, eu fiquei bem chateada ao ver que não seria possível e que teria de ouvir outros vários sermões…
    Mas levo minha vida, é o que sou, é como sou, e como vc mesmo disse estou feliz assim.

  12. Boa noite Bruno, me identifiquei em alguns pontos do seu post, também já estudei em 8 escolas diferentes, não por mal comportamento mas pq minha mãe se mudava muito por conta do trabalho, então meu histórico escolar é de cigano rsrs, eu fazia artesanato quando era criança, nunca terminava, escrevia diario e não terminava o ano, também fazia tapete de crochê na adolescência e também não terminava. Já na fase “jovem adulta” comecei fazer curso de nutrição e ja tranquei e retomeino cursos três vezes. Agora já desito de vez e vou fazer gestão, eu pesquisando sobre esse meu comportamento e so. É identificava como procastinadora, e autosabotagem, tenho tbm muita dificuldade pra lidar com questões financeiras, sou impulsiva, gasto muito com coisas supérfluas. Isso ja me atrasou 6 anos da minha vida. Enfim Bruno, esse ano quero praticar um esporte, mudar hábitos e estilo de vida, e sair dessa zona de conforto. Espero que consiga me encontrar na vida. Ser experimentadora mas com a vida estabilizada.

  13. Olá!
    Gostei muito de seu artigo, enxerguei-me em quase todos os pontos mencionados, pois não consigo dar continuidade às atividades que início. Nessa minha jornada já fiz aula de flauta, violão, clarinete, dança, artes marciais, corrida de rua, vôlei, futebol, academia, dentre outras, as vezes tento focar em algo, mas é complicado. As pessoas os quais convivo dizem exatamente o que você citou, “não tenho disciplina”. Começo algo e não dou continuidade, porém costumo dizer que não encontrei ainda algo que me conquistou, na verdade não sei se irei encontrar, pois é muito bom ser experimentador.

    Parabéns pela iniciativa.

    1. Oi Célia, bem-vinda ao blog.

      Sei exatamente como se sente! Minha recomendação é que busque se compreender melhor a cada dia, e que perceba quando está desistindo por preguiça/medo ou quando realmente é porque aquela experiência já não é mais necessária para você.

      Eu admito que muitas vezes abandonei um projeto por medo de fracassar, mas hoj em dia geralmente consigo perceber quando é isso – e aí me obrigado a ficar mais para superar esse medo. Mas se eu vejo que já aprendi o que precisava em um determinado caminho, então sigo tranquilo para o próximo!

      Grande abraço

  14. Olá Bruno, eu estava a beira de um ataque de nervos!!!
    Graças a deus encontrei teu blog…
    Estou muito feliz em saber que sou um experimentador da vida!!!
    Já fiz de tudo, gosto de tudo e não faço nada por muito tempo, perco totalmente a vontade de continuar e finalizar meus projetos.
    Sei que preciso tratar minha ansiedade para conseguir criar coisas que eu posso ganhar e não só perder.
    Vou pensar um jeito novo para eu conseguir focar minha empresa de Decoração de Festas, pois preciso de grana para realizar meus sonhos de Experimentadora da vida.
    Amei!

    1. Oi Ana, bem-vinda ao blog!

      Ansiedade realmente atrapalha muito. O que funcionou para mim foi tratamento com florais, fé e trazer a atenção para o momento presente. Mas até hoje ainda tem momentos em que me vejo ansioso, e aí preciso me centrar, respirar devagar, perceber o que está acontecendo.

      Para sua empresa, já considerou ter outra pessoa para te ajudar? Se você não é boa em focar por muito tempo no mesmo projeto, pode procurar um parceiro (seja sócio ou empregado) para cuidar dessa parte – e você pode ficar encarregada de trazer novas ideias, fechar novos projetos, assumir essa posição mais inovadora e criativa.

      Na minha vida isso funciona muito bem! Em projetos onde eu tenho um parceiro para cuidar da parte que exige mais disciplina, tudo flui melhor!

      Grande abraço, desejo sucesso!

  15. Oi eu tenho 31 anos sou casada a 12 anos e tenho 3 filhos , sou organizada, perfeccionista , porem não consigo parar em nenhum emprego que eu entro então não consigo fazer curso muito menos faculdade,comecei um negocio meu fazia kit festa e alugava brinquedos mais parei com tudo não consigo seguir em frente com nada que começo se começo trabalhar saio , se começo um curso paro se abro um negocio não demoro muito pra desistir, a única coisa que sigo em frente e com meu casamento mas já pensei várias vezes em me separar mais não porque não amo ele mais por causa disso de não conseguir terminar o que começo você vê necessidade de procurar ajuda psicológica ou não

    1. Oi Dani, bem-vinda ao blog.

      Se você considera a possibilidade de procurar ajuda psicológica, então isso já é motivo suficiente para ir a um psicólogo. Não tem nada a perder, e muito a ganhar.

      Não existe certo e errado na maneira de fazer as coisas, mas você precisa analisar honestamente quais são os benefícios e os prejuízos do seu comportamento. Se sente que está sendo prejudicada por essa sua característica, então busque ajuda para corrigir isso.

      Se sua vida segue funcionando bem, então não vejo por que tentar mudar isso. Como eu disse no post, eu também sou assim – mas para mim está funcionando.

      Sugiro que você se faça a seguinte pergunta: eu seria mais feliz se eu conseguisse dar continuidade nas coisas?

      Se a resposta for sim, então trabalhe nisso.

      Grande abraço, volte sempre.

  16. Oque fazer quando esse assunto pode estar relacionado a um problema sério que ocorreu no passado como ex: depressão, separação dos pais, envolvimento com pessoas erradas e etc…. ?

    1. Lizy, o passado não tem poder sobre o presente.

      O que aconteceu, aconteceu. Pode ter sido triste, pode ter sido doloroso – mas hoje é só uma memória.

      Deixe o seu passado se dissolver através do perdão verdadeiro, e perceba que o único momento que realmente importa é o AGORA.
      Se o seu coração está preso no passado, então ele não consegue amar o presente. Liberte-se!

      Grande abraço

  17. Muito obrigado!
    Li o seu texto e me identifiquei com tudo, parece que foi feito falando de mim. Acredito que vc possa ajudar muitas pessoas com ele e você me ajudou muito!

    1. Henrique, bem-vindo ao blog.

      Fico feliz com seu comentário, é uma alegria para mim saber que minhas experiências podem ajudar outras pessoas.

      Volte sempre ao blog, vou me esforçar para trazer sempre conteúdos relevantes.

      Grande abraço

      1. No fim das contas a conclusão que se tem do texto é que você ao dar suas “dicas” também é cheio de regras e deixa subtendido que até para ser um “experimentador” tem que ser disciplinado e ter uma certa continuidade mesmo que por um curto período. Ou seja o ser humano sem disciplina e objetivo não consegue chegar a lugar em nenhum, é como uma pessoa que caminha, caminha, caminha e não entende porque ela não sai do lugar, até ela perceber que está caminhado em uma esteira, é preciso mais que experimentar, tem que focar em alguma coisa. A vida é muito curta, e chegar na velhice sem uma certa estabilidade é muito complicado.

        1. Luana, bem-vinda ao blog.

          Vou abordar alguns pontos do seu comentário:

          1. “Sem disciplina não se chega a lugar nenhum”
          Algumas pessoas não estão tentando chegar a um lugar, porque para elas é suficiente aproveitar a jornada.

          2. “A vida é muito curta”
          Um bom motivo para viver diversas experiências ao invés de se limitar a apenas um caminho estreito.

          3. “Chegar na velhice sem estabilidade é complicado”
          Não existe estabilidade. Se você vive no mesmo mundo que eu, então sabe que você está CERCADA de imprevistos. Ao invés de se apegar a essa ilusão de controle, minha sugestão é aprender a seguir o fluxo e permitir que suas jornadas de descobrimento te levem a caminhos inesperados.

          Como pode ver, discordo totalmente do seu ponto de vista. Mas se essas crenças funcionam para você, então continue com elas!

          Grande abraço, volte sempre.

  18. Meu nome é Lanna tenho 27 anos e por muito tempo me sinto um fracasso pois ja comecei inumeros projetos e não consigo terminar nada,minha familia me critica muito pelo fato de todas minhas primas terem feito faculdade,sou casada e temos um negocio proprio,as vezes cismo de sair e ir trabalhar em outras coisas,meu marido diz que não sou focada,mas pensando por esse ângulo sou mesmo uma experimentadora de mão cheia,muitas faculdades,cursos,desejos de fazer varias atividades e logo depois a motivavação desaparece.

  19. Perfeito! Tirou minha culpa por não ter ido em frente em muitas coisas na minha vida. Porque me sinto assim mesmo, inquieta querendo tudo! O preço que se paga por ser autêntico é ser julgado pelos outros! Mas bom saber que não estou sozinha nessa!
    Um abraço

  20. Olá Bruno, adorei seu blog…estava aqui me sentindo culpada de mais uma vez desistir de algo que comecei com tanta expectativa, alegria e passado 6 meses não pareço mais a mesma pessoa animada e pensando em mudar de atividade sem sentir frustração, sem ficar pensando em “Ns” justificativas para as pessoas próximas não me criticarem pela minha decisão, minha vida…eu me senti tão bem em saber que sou normal, VC não faz ideia rsrsrs
    Alívio é a palavra certa que VC me transmitiu, vou continuar firme nesse meu jeito inquieto de ser, seguir em frente sem medo de rotulagem…
    Obrigada por compartilhar suas idéias, seu pensamento que sem dúvida, está certíssimo. Pretendo voltar no seu blog e partilhar algo que consegui seguindo meu jeito experimentador de ser…rsrs
    Abraços!!

    1. Oi Celia! Bem-vinda ao blog.

      Fico feliz que tenha gostado do post, escrevi justamente para aliviar esse peso que as vezes nós, experimentadores, sentimos.

      Siga tranquila de que não há só uma maneira de ser – a vida permite infinitas possibilidades.

      A dica importante que posso deixar é: caso precise de estabilidade financeira, aprenda/crie uma maneira de ganhar renda com esse seu perfil de experimentadora. Alguns trabalhos repetitivos e monótonos podem acabar com sua qualidade de vida e matar seu espírito, então encontre meios alternativos!

      Exemplos:

      – Trabalho freelance
      – Marketing multinível
      – Palestrante, consultora, personal trainer… > Horários e datas flexíveis.
      – etc..

      Se tiver dúvidas, fique a vontade para comentar.

      Obrigado pela visita, e volte sempre!

      Beijão

  21. Eu gosto de um monte de coisa. Pesquisar em site, de ler, de escrever, de desenhar, de tudo que é novo. Sou inquieta demais. Tipo inconstante mesmo. Começo algo, se demorar mais de um mes ja vem aquela vontade de fazer algo novo…
    Rsrss
    Agora é a faculdade. Começei tem seis meses. E so nao parei porque estou seriamente lutando contra essa busca por algo novo.
    Tudo termina com reticencias, para algumas coisas o interesse volta, pra outras… Parece que nem perdi nada.
    Parabens pelo post.

  22. Muito legal Bruno. Conhecer a si mesmo é um trabalho pra toda vida. Gostei de vc compartilhar suas experiências. Obrigada. Neste momento da minha vida falta atividade física…vc tem dica pra quem não sabe como começar?

    1. Carol, fico muito feliz quando você visita o blog!

      Se tiver comentários ou dúvidas que não sejam secretos, pode compartilhar aqui mesmo porque assim outras pessoas também se beneficiam da conversa!
      Caso contrário manda no face ou no e-mail mesmo!

      Um beijão!

  23. Olá!! Gostei muito desse artigo e agora consigo ver a culpa de não prosseguir em algumas escolhas de um modo diferente, na verdade nem sinto mais culpa, sinto um alívio em saber que não sou uma desanimada, mas pelo contrário, é tanta sede de novas experiências que é quase um desperdício limitar-se a viver fazendo sempre as mesmas coisas! Deus nos deu uma capacidade de raciocínio tão perfeita e na maior parte das circunstâncias não usamos nem um terço do que somos capazes, fazemos tudo no piloto automático e perdemos o controle até de nossos pensamentos. Quero sentir, ver, apreciar,mudar, recomeçar, aprender e viver tudo que eu puder! Deus abençoe!

    1. Oi Franciele, bem vinda ao blog!

      Fico feliz que o assunto do post tenha sido relevante para você, entendo exatamente essa “culpa” que você está falando porque também já passei por isso diversas vezes.

      Cada um tem talentos únicos, e é nosso papel entender como podemos usá-los para melhorar nossa vida e também a das pessoas ao nosso redor. Para algumas pessoas, isso significará seguir uma carreira estável por toda a vida. Para outras, vai significar uma vida repleta de mudanças e fases.

      Não é saudável mentir para si mesmo, vamos assumir nossa verdadeira identidade e nos dedicar a viver ao máximo nossos potenciais.

      Grande abraço, volte sempre!

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *